quinta-feira, março 09, 2017

double logan on ice

Deus fez-te perfeito, imortal e feroz.
Músculo com articulações fracas.
Cerebral sem controlo da fala.
A idade pesa-te as pernas,
Até aos confins da eternidade.
Este és tu
A dançar aos socos com a vida.


segunda-feira, fevereiro 27, 2017

... and nothing else matters.


"A look in somebody's eyes
To light up the skies
To open the world and send it reeling
A voice that says, I'll be here
And you'll be alright

I don't care if I know
Just where I will go
'Cause all that I need is this crazy feeling
A rat-tat-tat on my heart

Think I want it to stay."

quarta-feira, fevereiro 22, 2017

"arqui-inimigo da prata, mas acorrentado nesta vida"

como um vampiro, vivo em contra-ciclo com a vida e tudo o que pertence à claridade. sou arrastado, em correntes, pelas circunstâncias para as lides diurnas e torturado com a visão de felicidades suculentas, que dão sal a esta miserável existência. levo tudo o que posso para me aguentar à noite, porque também o meu coração funciona em contra-ciclo, e eu vou precisar mais de companhia quando estiver mais solitário, o meu cérebro vai explodir em raciocínios impulsionados pelos temas mais vazios. o meu pulso nunca treme, quando não há ninguém para o dobrar. nunca me falta silêncio quando tenho discursos acumulados até ao esófago.
mas acredito no poder da solidão como a minha constante universal privada, e que posso usar como medida de quase todas as coisas que me dizem respeito. tendo assegurado, como assegurei, o regresso a uma bem doseada e revigorante solidão, começo a crer no alívio da carga tormentosa na hora de fazer o que é certo na hora errada. 

segunda-feira, fevereiro 06, 2017

questionário


qual é a dimensão de uma tristeza?
como se distingue um desgosto de outro, quando os do passado e os do presente estão ligados umbilicalmente, numa espiral de desalento?
quanto pesa uma consciência pesada?
quando e como se recuperam noites perdidas, passadas em claro, ou de sono alerta?
esta estrada em frente, como é que  há tanta gente a segui-la, a conseguir segui-la, e eu nem um cigarro consigo terminar sem sentir culpa na ponta dos dedos, e medo no fundo do coração?

sábado, janeiro 14, 2017

burn the witch


"Why people in this world hate what is not them?
Why they fear all they don't know?
Why they hate themselves most of all?
For being weak, for being old.
For being everything altogether that is not god-like.
Which of us can be that? Monsters all, are we not?"

Joan Clayton, Penny Dreadful

segunda-feira, janeiro 09, 2017

Cada paixão minha

Cada paixão minha 
É uma questão de vida ou morte.
Não entendas.
Aceita
ou recusa.
Apaixona-te.

Ou terei de morrer por ti?

segunda-feira, dezembro 26, 2016

o ego e o amor

"Será por tanto querer, que ninguém me quer?"
Considerava-se uma pessoa invulgar e inadaptada. No mundo massificado e franchisado do século xxi, sentia ocupar um lugar único entre os seus pares, distinto do deles. A sua sensibilidade manifestava-se quando fotografava o pôr-do-sol, ou partilhava um poema com os amigos. O belo fascinava-o, mesmo quando não o compreendia. A promessa de uma viagem exaltava-o, os gatos serenavam-no. As suas ambições iam tão longe quanto a sua felicidade, mas sempre à rédea curta de um cobertor e uma caneca de chá quente entre as mãos. Na absorvente mecânica social, desempenhara o seu papel como se exige: bom aluno, melhor profissional, excelente amigo do seu amigo. No fim, não era crime nenhum considerar-se bonito, mesmo que à boleia de poder ser chamado narcisista.
Postos essess predicados em cima de uma mesa mental, não compreendia a sua atracção por mulheres, digamos, condenadas. Mulheres que carregam uma amarguras auto ou hetero-imposta, mulheres que sonham como nunca e caem sempre (a estas é impossível colocar um fio no balão do seu pensamento, e quando tal promete acontecer, só voam ainda mais alto), mulheres eternamente sem rumo, ou mulheres eternamente desapontadas, ou desiludidas, antes mesmo de apontarem ou se iludirem com o que quer que seja, mulheres que precisam de agressão como de comida e amor, mulheres abandonadas. A inevitabilidade deste fado, intrigava-o. A sua órbita e a destas mulheres, cuja herança não as faria entrar na galeria das suas primeiras opções, magnetizavam-se e chocavam-se com um grau de certeza matemática. Não as procurava; também não as censurava ou afastava (ele pautou a sua vida por um estóico código de tolerância e incensurabilidade pelo próximo: para seres aceite, aceita). No entanto, e sendo certo que todos os indivíduos carregam em si o peso da sua história particular, não conseguia compreender como aquelas mulheres, de alma pesadas como asteróides, penetravam propositadamente na camada de vidro que era o seu íntimo, sem que ele fizesse nada quanto a isso. Os estragos eram inevitáveis e certos.
Esta previsibilidade incomodava-o. Considerava que a sua singularidade tinha pouco que ver com esta série de derrotas, facilmente antecipáveis. Mas a esfera das outras pessoas, e das suas bem-sucedidas relações pessoais resplandecia uma glória, que ofuscava as fracturas das cedências mútuas. E era-lhe impossível perceber qual dessas fracturas mantinha erecto o ovo de colombo. Porém, duma coisa não duvidava: existia um truque, e ele, até então, fora inábil para o descobrir. A sua pessoa, e o respectivo perfil irrepreensível, apenas podiam estar arredados das teias da felicidade possível por artifícios de um truque escondido. Outra possibilidade estava, totalmente, posta de parte.